quinta-feira, 30 de junho de 2022

Só uma coisa; fundo de índice.

"Você só precisa de uma coisa nos investimentos, botar toda sua grana em fundos de índice."


Eu sempre ouvi isso de alguns ídolos meus como Mr.MoneyMustache e JL Collins da Finansfera gringa. E cada dia que passa vejo que eles tem toda razão.


As únicas pessoas que vejo não aconselhando a investir em fundos de índice é por que vende cursos ensinando a “investir em ações individuais” 


Cara.. você olha para PIBB11 no Brasil e vê uma rentabilidade de 12% a.a nos últimos 16 anos. Você olha para os EUA e vê mais ou menos a mesma coisa nos últimos 200 anos.




Se a gente pegar essa mentalidade na bolsa, que é só investir em fundos de índice e esperar os 10-12% anualizado, você vai investir sossegado como se fosse uma renda fixa.


Agora…


Se escolhe o caminho das ações individuais, sempre vai ter aquela dúvida.. será? Você nunca tem certeza se escolher as ações certas, e sempre vai ficar com ansiosidade em relação a sua cartela de apostas.


E a prova é que a maioria dos blogueiros que conheço que investe em bolsa, está atrás do PIBB11 em rentabilidade. Não estou vendo ninguém por aí gerando “alfa”


É fácil olhar para trás e dizer que “empresas boa retornaram mais que o Índice” mas oque to dizendo é que nosso cérebro dificilmente ficará em paz com empresas “boas”, por que a gente não tem certeza se vai ter perfomance razoável. Acho que é diferente com os fundos de índice, é quase uma certeza.


Enfim é isso, só mais um insight que tive aqui. Se hoje tivesse que investir na bolsa, socaria em PIBB11 sem medo de ser feliz,  e teria certeza dos meus 12% anualizado.

quarta-feira, 15 de junho de 2022

A má experiência com compra e venda de carros.

Uma vez eu relatei aqui no blog que eu tinha uma sociedade com um amigo dono de oficina. Eu fornecia o dinheiro para ele comprar motos usadas e revende-las com lucro, esse lucro era raxado 50% entre nós dois.

No meio dessas compras e vendas de motos, ele me convenceu que deveriamos comprar um carro. Propriamente um FIORINO 1995, ele estava na mão de um senhor de idade que morava na zona rural.

Olha a foto do danado.

Pagamos 1.750 pelo poçante com a expectativa que poderíamos vender ele por até 5.000 reais. Na nossa região esse tipo de carro é valorizado por pessoas que precisam carregar materiais em cima da carroceria. Eu realmente achei que era um bom negócio.

Mas eu não imaginava a fria que estava entrando...

Primeiro que o carro não chegou funcionando,  ele tinha um problema de bateria e tivemos que comprar uma nova. Ele também tinha um furo no tanque emcima da carroceria que tivemos que soldar. No final ele acabou ficando por 2.500$ para mim. 

Eu falei ótimo, agora está pronto para vender. Mas eu não imaginava que seria tão difícil. Depois de mais de 30 dias com ele parado na frente da oficina do meu amigo sem propostas decentes, eu resolvi traze-lo para meu local de trabalho que é um lugar de maior visibilidade. E realmente apareceu mais interessados, mas ninguém dava uma proposta.

O pior para mim era ter que parar o meu trabalho para mostrar o carro para o possível compradores. As vezes tinha que dar uma volta com ele pela cidade, e o carro era uma jaca para andar. Mesmo tendo trocado a bateria e arrumado o tanque, ele falhava e morria durante o percurso, oque desanimava o cara. 

Até que apareceu um pedreiro que me ofereceu 3.000,00, sendo metade a vista e metade parcelado. Era um cara de confiança e iria dar bom uso para o carro carregando seus materiais. 

Eu já estava cansado de ficar mostrando essa jaca para as pessoas e resolvi aceitar. Acabei passando o lucro de 250$ para o meu "sócio" e 250$ para mim.

Quando eu achei que tinha acabado, eis que...

15 dias depois o comprador me disse que o carro tinha fundido o motor, ele chorou e se lamentou comigo, e realmente ele estava fudido. Acabou que fiquei comovido com a situação dele e perdoei 750 dos 1.500 que faltavam.

No final o carro saiu por 2.500 de custo e vendi por 2.000,00. Levando -500,00 de fumo.

Essa experiência serviu para me mostrar o quanto é difícil o ramo de compra e venda de veículos e o quanto de rolo você está se dispondo a entrar. Fico olhando a garagem que tem aqui perto e todos aqueles curiosos fazendo teste drive durante o dia e não comprando nada. Só especulando. É cansativo.

Descobri que é um ramo que eu não tenho inclinação nenhuma. E me ensinou a não me envolver mais com esse tipo de negócio. Não é meu ramo.

Ah, e não esquecendo, meu negócio de motos com esse meu sócio também deu errado no final da história. Não tomei prejuízo, mas o lucro que tive de cerca de 7.000 mil durante 1 ano e meio foi perdido nos últimos meses de sociedade.

sábado, 14 de maio de 2022

Comprar uma ação & fazer uma aposta = Dopamina.

Uma coisa que percebi recentemente ao comprar ações, é o efeito que isso tem no cérebro, e como esse efeito é igual ao quando você faz uma aposta.



O grande problema das apostas, não é o dinheiro que você perde. O grande problema é a carga de dopamina que você recebe ao fazer uma aposta. Isso fará você repetir o comportamento e se tornar um viciado.

As pessoas acham que dopamina costuma vir quando a aposta é ganha, NÃO. Segundo especialistas, grande carga de dopamina vem quando você faz a aposta, e quando ganha, a carga de dopamina gerada é menor.

Mas o fato é o seguinte, essa carga de dopamina, fará seu cérebro querer repetir esse comportamento no futuro e ele também irá querer aumentar a dose para sentir mais prazer.

É o mesmo processo com qualquer outro vicio (Pornografia, chocolate, cigarro, bebida).

Paul Merlson, ex-jogador do Arsenal, luta contra o vicio nas apostas em futebol.

E eu percebi que é o mesmo processo nas ações, pelo menos pra mim. Quando a uns dias atrás eu falei: Vou comprar 10.000 reais de BBAS3.

Eu senti extasiado por estar comprando essas ações, mas conforme os dias vão passando, eu começo a sentir ansiedade e dor no estômago, e alivio quando resolvo vender. Eu dei o exemplo de BBAS, mas o mesmo acontece se eu comprar índice, ou uma cesta de ações.

E nas apostas é o mesmo processo

Quando tive recaídas, era assim: Sentia aquela vontade de fazer uma aposta em tal time por 500/1000 reais. Quando fazia, sentia o maior prazer, depois que a aposta tava feita, a dopamina já tinha sido liberada, ai vinha o arrependimento por ter recaído mais uma vez.

E eu acredito que existem muitas pessoas no mercado igual a mim. 

Hoje o sistema de home broker é igual o sistema de casa de apostas. Acredito que era muito mais fácil uma pessoa segurar uma ação quando você tinha quer ir la e comprar papéis.

A prova disso são as estatísticas que mostram que as pessoas antes da internet seguravam o triplo de anos suas ações, do que seguram agora.



Por fim, quero fazer essa reflexão sobre o quanto de pessoas hoje na bolsa, devem estar achando que estão investindo, mas na verdade estão só apostando em um mecanismo diferente, levando elas ao vicio, e consequentemente a perca de dinheiro no longo prazo.

E por que perca de dinheiro? Por que o cérebro dela está só em busca de dopamina, não está preparado para percas e provavelmente venderá no fundo.

E veja bem, não estou generalizando, sei que existem muitos investidores de longo prazo que pouco se afeta com a bolsa e investem sem nenhuma emoção e ganham dinheiro no longo prazo. O post é para relatar oque acontece comigo, quando invisto em bolsa, qualquer estratégia que seja.

Esse relato do Ícaro sobre apostas, explodiu minha mente e me ajudou a me libertar.





terça-feira, 10 de maio de 2022

Capital: Rentabilidade é uma ilusão?

Venho escrevendo muitos posts para mim mesmo nos ultimos meses, e esse achei que valia a pena postar.


Uma reflexão que fiz hoje foi sobre: produtividade e retorno de investimento.

Se partimos da premissa básica de que: Quanto maior a produtividade, maior a qualidade de vida das pessoas.

Então isso significa que se uma cidade todos os agricultores produzirem peixes e os mesmos não conseguirem exportar esses peixes, então significa que a populaçao daquele local terá que consumir esses peixes. Como há muitos peixes para poucas pessoas, esses peixes irão valer pouco.

A população desse local terá uma alimentação de qualidade por causa da quantidade de peixes a preços baixos.

Se o agricultor que produz esses peixes ficar preocupado com a rentabilidade do seu investimento, então provavelmente ele irá parar de produzir peixes. Talvez ele nem substitua por outra produção, ele somente não irá produzir mais peixes e resolva guardar esse capital ou deixar de utiliza-lo.

Mas se ele não fizer contas de rentabilidade, e só se preocupar com a quantidade de peixes que produz, para pegar mais retorno através da quantidade, então ele irá produzir feliz.

Não entendeu? Suponhamos que ele gaste 100.000 para produzir esses peixes e consiga um retorno no final de 1 ano de 105.000,00. Isso é um retorno de 5% a.a

Se ele se atentar ao retorno de 5% ficará desanimado. Mas se ele se atentar aos 5 mil de lucro que ele teve, então ficará feliz.

Acho que o mesmo exemplo vale para imóveis.



Se você fizer 10 novos apartamentos na sua cidade que equivalem a 1 milhão, e você alugue cada um a 350,00, provavelmente não terá nenhum desocupado. E irá livrar 3.500,00 por mês. 

42.000,00 por ano ou 4,2% a.a.

Se o cara falar que não compensa por causa da rentabilidade, ele deixa de ganhar esses 42.000 ao final de um ano. 

Óbvio que em muitas vezes esse capital tem um custo. Os bancos pagam para ter ele via poupança e cobram via empréstimos. Mas em muitos lugares, esse capital remunera até negativo. Então essa rentabilidade seria sensata. Oque eu quero dizer com esse post é que: Capital nunca é demais.

Mesmo que sua cidade seja altamente desenvolvida e você despeje capital nela via investimentos em imóveis ou peixes, isso significa que você vai tirar algum dinheiro, e as pessoas do seu local irão ter maior qualidade de vida.





quinta-feira, 13 de janeiro de 2022

Reflexões sobre o mercado de capitais.

Eu venho estudando muito sobre mercados, capital, bolsa nesses ultimos meses e venho avaliando se compensa ou não investir em bolsa, qual caminho seguir, e conclui que devo investir meus aportes na bolsa mesmo.

Por mais que existam oportunidades aqui na minha cidade, todas estas oportunidades não são “investimentos de renda passiva” mas sim empreendimentos que exigem atenção. Dentro dessas oportunidades posso citar:

- Máquinas, caminhões 

- Imóveis 

- Terras agrícolas 

- Gado

Esse é o investimento padrão dos ricos da minha região. Todos estes investimentos me dariam até um retorno um pouco melhor que a bolsa, mas o trabalho e a dor de cabeça que eles exigem provavelmente tiraria o foco do meu trabalho.

Todos esses ricos trabalham muito, e não vejo eles tendo paz em suas vidas.

Isso aqui não é renda passiva, é empreendimento!

Percebi também que a maioria das pessoas realmente inteligentes no mundo, grande parte dos Judeus investem no mercado de capitais. É a forma mais inteligente de alocar capital em ativos produtivos na sociedade.

Além que tenho o perfil de investidor mesmo. Gosto de ler e estudar sobre empresas, gosto de economia, e não me identifico com a vida rural ou administração de maquinários.

Judeus não investem em terra, sempre estiveram presentes no comércio, bancos e mercado de capitais. Por isso são tão ricos.

Eu sempre tive medo de investir na bolsa com medo das quedas, mas depois que internalizei bem a filosofia Bastter de ser sócio de boas empresas, entendi que:

Eu deveria investir em boas empresas que estão fazendo algo de positivo na mundo.

Além de formar uma carteira de ações que seja uma extensão da minha personalidade, ou seja, empresas que eu goste e entenda como elas realmente fazem dinheiro.

Por exemplo: Eu me identifico muito e gosto do varejo no geral, incluindo bancos. Já não me identifico com setor de energia, já não que não entendo nada sobre o assunto e não tenho interesse pelo setor. 

Acho que com essa filosofia de investimentos vou acumular mais dinheiro no longo prazo e ter mais satisfação com os investimentos.

Eu realmente sinto tesão de investir nesse tipo de empresa.

Outra coisa também que cortei que me prejudicava muito quando estava no mercado era os ruídos do Twitter.

Graças a Deus faz muito tempo que não acompanho notícias da mídia, me livrei desse vício. Mas tenho Twitter e sou bem ativo por lá.

Sigo muitos “fintwitters” twitteiros do mercado financeiro, mas percebi que seguir esses caras é como ler notícias todos os dias. Esses caras estão sempre soltando notícias ruins sobre o mercado que acabam causando ansiosidade em você.

Por isso decidi silenciar 99% da fintwitt, um dos poucos cara que deixei foi o Uo aqui da comunidade que é um cara sempre bem positivo. No geral, estou seguindo mais a “Growth Twitter” que nada mais é que coachs e pessoas dos EUA que estão na caminhada de evolução em todas as áreas da vida. 

Por fim, quero trilhar meu caminho seguindo os seguintes principios:

- Sempre trabalhar mais e melhor dentro do meu ramo, com foco.

- Continuar Low profile e poupando sempre o máximo possivel.

- Investir em empresas que estão fazendo algo produtivo no mundo através do mercado de capitais.

- Continuar praticando bastante esporte (Futebol e Musculação)

- Sempre me manter ativo intelectualmente através de leitura de livros.

Com isso acredito que terei uma vida melhor e mais feliz.

terça-feira, 16 de novembro de 2021

Desenvolvimento pessoal.

 Venho de uns dias difíceis, onde fui acometido pelo Covid, confesso que subestimei a doença. Graças a Deus não fiquei sem ar, mas fiquei 10 dias isolado, com dor de cabeça, fraqueza e etc. O pior mesmo é ficar isolado em um quarto sem fazer nada, sem contato humano.

Quase não consegui estudar e aproveitar esse  tempo parado, porque minha mente não conseguia absorver nada. Não sei se aconteceu com mais alguém, mas até depois que eu curei, demorei uns 5 dias para minha cabeça voltar 100% e absorver algo.

Vontade era só de dormir.

Essa experiência me trouxe algum tempo para fazer algumas reflexões. Aliás, eu fiquei muito mal nesse período e pós, me deu tipo um início de depressão, falta de sentido, não saber porque estava vivendo. Comecei a me preocupar e procurar conteúdos sobre o assunto.

Vi que o fato de ter descontrolado o meu sono, dormir o dia inteiro em quarto escuro, pode ter influenciado isso. 

VIDA FÁCIL DEMAIS...

"Serei feliz quando não precisar trabalhar e morar de frente para o mar." Foi oque eu ouvi de um empresário esses dias.


Mas o fato é que hoje estou em uma situação muito confortável na minha vida, como nunca estive antes. Eu me sinto praticamente independente.

Tenho total autonomia na empresa, faço oque eu quero, tenho casa, carro, dinheiro na conta, salário gordo, e aporte robusto. Tudo isso eu conquistei em 2-3 anos de uma fase de vaca gorda de nossa empresa. Onde dobramos nossos lucros e estamos trabalhando meio sem concorrência. Mas sei que um dia essa fase vai acabar.

Então eu me perguntei, e agora por onde ir?

Engraçado que essa pergunta meu pai se faz há mais de 5 anos, desde que ele se tornou fire. Desde lá, ele não conseguiu responder ainda oque quer da vida.

Inclusive recentemente ele confessou que meio que se sente depressivo por causa disso (eu sempre desconfiei), mesmo tendo um ótimo patrimônio, família, e fazendo tudo oque quer. 

Literalmente, viver sem um objetivo, ou um propósito é uma merda. 

Então comecei a organizar a minha rotina novamente, Orar e me perguntar por onde eu deveria ir. 

Encontrei um cara no Twitter americano, que estava em uma caminhada de desenvolvimento pessoal. Ele disse que decidiu mudar o corpo a alguns anos e todo o resto seguiu. Ele mostrou as conquistas que teve desde então, os 40 de braço, livros e cursos, negócio dele crescendo, etc.

https://twitter.com/Gabepluguez/status/1460261127800209409
Eu realmente indico vocês verem essa thread da sua trajetória, muito inspirador.

Então eu falei, É ISSO! Como uma lampada na minha cabeça. 

Se eu resolvi meu lado financeiro e profissional, então agora eu devo evoluir outra área da minha vida: FÍSICA. 

Obviamente eu não cheguei no TOPO FINANCEIRO, mas cheguei onde queria, e vejo que não tem muito oque fazer nas minhas finanças a não ser aportar e cumprir o meu horário. Não tem oque inventar mais. Como disse, estou satisfeito nessa área. 

Acredito que o mesmo vale para o cara que chegou no SHAPE dos deuses, e não consegue mais evoluir. Ele provavelmente vai ter que procurar outra área para se focar.

Então eu percebi que se eu focar no meu shape agora, eu só tenho a ganhar. Irei ter mais auto-estima, força, transarei melhor, disciplina, minha namorada vai amar e influenciarei positivamente outras pessoas.

Parece que esse é o segredo da felicidade: Influenciar e melhorar a vida das outras pessoas através do seu trabalho e exemplo.

Objetivo é tirar uma foto com a namorada assim daqui 2 anos.

Eu sei que muitos de vocês vão falar “shape é vaidade, etc”  Eu também já pensei assim. Mas quando você vê os benefícios de ser FORTE, você entende porque tantas pessoas correm atrás disso. 

Então quando você tem coisas a melhorar na sua vida, não tem porque ela perder o sentido. O objetivo é viver melhor, ser feliz, viver uma vida plena, e ser forte, está alinhado com isso. 

Já pensei em viver “all Foda-se” sem dieta, sem exercícios, cerveja, etc. Mas descobri que isso no longo prazo não traz felicidade, e quanto mais você consome essas coisas, menos prazer você sente, e mais triste você fica.

Enfim, eu realmente estou animado nesse meu novo projeto de auto-aperfeiçoamento. 

E como diria o velho Mr.Rover

“Tudo oque te resta é o desenvolvimento pessoal."

Quase camisa de $10 fica boa em um shape foda.


quinta-feira, 30 de setembro de 2021

Você tem dois tipos de vidas para escolher…

Vida 1 - Você prosperou no seu trabalho ao ponto de ter acumulado 3 milhões de reais em em patrimônio. Esse dinheiro você diversificou em ativos financeiros como (ações, FII, renda fixa e ações no exterior). Você chegou ao ponto de não precisar mais trabalhar porque o rendimento dos seus ativos pagam suas despesas e sobra troco.

Vida 2 - Você prosperou no seu trabalho ao ponto de ter acumulado 6 milhões de reais. Esses 6 milhões estão diversificados em empreendimentos na sua cidade como (Casas de aluguel, empresas, e um lote de 50 hectares) . Você terá que trabalhar para sempre emcima desses empreendimentos para que eles não definhem, faça chuva ou faça sol. 

Eu acredito que 99% das pessoas opitaria pela vida 1, visto que nós seres humanos temos uma tendência de querer economizar energia para viver o mais confortavelmente possível.

Avaliando os percalços de cada escolha, eu vejo alguns prós e contras de cada uma. 

Na primeira vida, por mais que pareça ser fácil, teria se o exercício mental de se lidar com seu patrimônio de forma virtual, estando muitas vezes atento a macroeconomia do país e do mundo e provavelmente sendo afetado por isso. Não é fácil lidar com estouro de bolhas ou pandemias, quando se tem tanto dinheiro em jogo. A melhor forma de minimizar esse percalço mental segundo o Bastter, é investindo em fundos de índice ou uma cesta bem grande de ações.

Você também poderia sofrer da “Síndrome fire” que é quando você se aposenta e acaba se sentindo inútil e sem sentido.

Segundo o famoso investidor John Templeton, ele acredita que Deus não nos criou para sermos inúteis, e temos sempre que estar produzindo valor para a sociedade até morrer.


Na vida 2, você não teria esse percalço mental de ter que se preocupar com cenário macro, mas em compensação teria muitas dores de cabeça com funcionários, e problemas do dia-a-dia. Você também teria bem pouca liquidez, você seria o famoso “rico pobre” que tem patrimônio grande, mas não consegue ver dinheiro. 

Você também não sofreria da síndrome do inutil, porque teria que trabalhar emcima dos seus empreendimentos até morrer para mantê-los de pé. 

É um caso extremo, mas não consigo ter inveja da vida dele.

Confesso que volta e meia eu tenho dúvidas de qual vida eu escolheria trilhar. A realidade que me espreita parece me empurrar para a vida 2, inevitavelmente.

Mas avaliando a vida dos caras que chegaram nesse patamar, eu não consigo inveja-los. Quando eu leio os posts do Frugal Simples, onde ele conta o tanto que se arrepende de ter empreendido, eu fico mais receoso ainda de percorrer esse caminho. Eu realmente não tenho inveja nenhuma desses grandes empreendedores que tem vários empreendimentos. Eu sei o tanto que eles tem que trabalhar para cuidar deles. 

Até acho que esses empreendedores vivam uma vida com sentido e feliz, mas me parece que existe um caminho melhor.

Só o tempo ira dizer qual caminho eu realmente irei percorrer, por ora, ainda continuo fora da renda variável e com todo meu patrimônio no capital de giro da empresa. 

Acredito que a vida perfeita para mim seria ter a minha própria empresa, e acumular o excedente em ativos financeiros. Oque seria uma mescla das 2 vidas. Sem investimento em terras, ou outros empreendimentos.