quinta-feira, 13 de janeiro de 2022

Reflexões sobre o mercado de capitais.

Eu venho estudando muito sobre mercados, capital, bolsa nesses ultimos meses e venho avaliando se compensa ou não investir em bolsa, qual caminho seguir, e conclui que devo investir meus aportes na bolsa mesmo.

Por mais que existam oportunidades aqui na minha cidade, todas estas oportunidades não são “investimentos de renda passiva” mas sim empreendimentos que exigem atenção. Dentro dessas oportunidades posso citar:

- Máquinas, caminhões 

- Imóveis 

- Terras agrícolas 

- Gado

Esse é o investimento padrão dos ricos da minha região. Todos estes investimentos me dariam até um retorno um pouco melhor que a bolsa, mas o trabalho e a dor de cabeça que eles exigem provavelmente tiraria o foco do meu trabalho.

Todos esses ricos trabalham muito, e não vejo eles tendo paz em suas vidas.

Isso aqui não é renda passiva, é empreendimento!

Percebi também que a maioria das pessoas realmente inteligentes no mundo, grande parte dos Judeus investem no mercado de capitais. É a forma mais inteligente de alocar capital em ativos produtivos na sociedade.

Além que tenho o perfil de investidor mesmo. Gosto de ler e estudar sobre empresas, gosto de economia, e não me identifico com a vida rural ou administração de maquinários.

Judeus não investem em terra, sempre estiveram presentes no comércio, bancos e mercado de capitais. Por isso são tão ricos.

Eu sempre tive medo de investir na bolsa com medo das quedas, mas depois que internalizei bem a filosofia Bastter de ser sócio de boas empresas, entendi que:

Eu deveria investir em boas empresas que estão fazendo algo de positivo na mundo.

Além de formar uma carteira de ações que seja uma extensão da minha personalidade, ou seja, empresas que eu goste e entenda como elas realmente fazem dinheiro.

Por exemplo: Eu me identifico muito e gosto do varejo no geral, incluindo bancos. Já não me identifico com setor de energia, já não que não entendo nada sobre o assunto e não tenho interesse pelo setor. 

Acho que com essa filosofia de investimentos vou acumular mais dinheiro no longo prazo e ter mais satisfação com os investimentos.

Eu realmente sinto tesão de investir nesse tipo de empresa.

Outra coisa também que cortei que me prejudicava muito quando estava no mercado era os ruídos do Twitter.

Graças a Deus faz muito tempo que não acompanho notícias da mídia, me livrei desse vício. Mas tenho Twitter e sou bem ativo por lá.

Sigo muitos “fintwitters” twitteiros do mercado financeiro, mas percebi que seguir esses caras é como ler notícias todos os dias. Esses caras estão sempre soltando notícias ruins sobre o mercado que acabam causando ansiosidade em você.

Por isso decidi silenciar 99% da fintwitt, um dos poucos cara que deixei foi o Uo aqui da comunidade que é um cara sempre bem positivo. No geral, estou seguindo mais a “Growth Twitter” que nada mais é que coachs e pessoas dos EUA que estão na caminhada de evolução em todas as áreas da vida. 

Por fim, quero trilhar meu caminho seguindo os seguintes principios:

- Sempre trabalhar mais e melhor dentro do meu ramo, com foco.

- Continuar Low profile e poupando sempre o máximo possivel.

- Investir em empresas que estão fazendo algo produtivo no mundo através do mercado de capitais.

- Continuar praticando bastante esporte (Futebol e Musculação)

- Sempre me manter ativo intelectualmente através de leitura de livros.

Com isso acredito que terei uma vida melhor e mais feliz.

quinta-feira, 30 de setembro de 2021

Você tem dois tipos de vidas para escolher…

Vida 1 - Você prosperou no seu trabalho ao ponto de ter acumulado 3 milhões de reais em em patrimônio. Esse dinheiro você diversificou em ativos financeiros como (ações, FII, renda fixa e ações no exterior). Você chegou ao ponto de não precisar mais trabalhar porque o rendimento dos seus ativos pagam suas despesas e sobra troco.

Vida 2 - Você prosperou no seu trabalho ao ponto de ter acumulado 6 milhões de reais. Esses 6 milhões estão diversificados em empreendimentos na sua cidade como (Casas de aluguel, empresas, e um lote de 50 hectares) . Você terá que trabalhar para sempre emcima desses empreendimentos para que eles não definhem, faça chuva ou faça sol. 

Eu acredito que 99% das pessoas opitaria pela vida 1, visto que nós seres humanos temos uma tendência de querer economizar energia para viver o mais confortavelmente possível.

Avaliando os percalços de cada escolha, eu vejo alguns prós e contras de cada uma. 

Na primeira vida, por mais que pareça ser fácil, teria se o exercício mental de se lidar com seu patrimônio de forma virtual, estando muitas vezes atento a macroeconomia do país e do mundo e provavelmente sendo afetado por isso. Não é fácil lidar com estouro de bolhas ou pandemias, quando se tem tanto dinheiro em jogo. A melhor forma de minimizar esse percalço mental segundo o Bastter, é investindo em fundos de índice ou uma cesta bem grande de ações.

Você também poderia sofrer da “Síndrome fire” que é quando você se aposenta e acaba se sentindo inútil e sem sentido.

Segundo o famoso investidor John Templeton, ele acredita que Deus não nos criou para sermos inúteis, e temos sempre que estar produzindo valor para a sociedade até morrer.


Na vida 2, você não teria esse percalço mental de ter que se preocupar com cenário macro, mas em compensação teria muitas dores de cabeça com funcionários, e problemas do dia-a-dia. Você também teria bem pouca liquidez, você seria o famoso “rico pobre” que tem patrimônio grande, mas não consegue ver dinheiro. 

Você também não sofreria da síndrome do inutil, porque teria que trabalhar emcima dos seus empreendimentos até morrer para mantê-los de pé. 

É um caso extremo, mas não consigo ter inveja da vida dele.

Confesso que volta e meia eu tenho dúvidas de qual vida eu escolheria trilhar. A realidade que me espreita parece me empurrar para a vida 2, inevitavelmente.

Mas avaliando a vida dos caras que chegaram nesse patamar, eu não consigo inveja-los. Quando eu leio os posts do Frugal Simples, onde ele conta o tanto que se arrepende de ter empreendido, eu fico mais receoso ainda de percorrer esse caminho. Eu realmente não tenho inveja nenhuma desses grandes empreendedores que tem vários empreendimentos. Eu sei o tanto que eles tem que trabalhar para cuidar deles. 

Até acho que esses empreendedores vivam uma vida com sentido e feliz, mas me parece que existe um caminho melhor.

Só o tempo ira dizer qual caminho eu realmente irei percorrer, por ora, ainda continuo fora da renda variável e com todo meu patrimônio no capital de giro da empresa. 

Acredito que a vida perfeita para mim seria ter a minha própria empresa, e acumular o excedente em ativos financeiros. Oque seria uma mescla das 2 vidas. Sem investimento em terras, ou outros empreendimentos.


terça-feira, 24 de agosto de 2021

Vicio em jogos

Quem acompanha o blog há mais tempo sabe que sempre lutei contra o vicio em apostas esportivas. 

Comecei a apostar em 2012, peguei gosto por esportes como Futebol Americano e Tênis, por serem mais rápidos, e desde então não passei nenhum ano sem apostar.

No começo era aquela vontade que eu costumo falar do "Daytrader" de um dia ser um dos felizardos que participaria daquele seleto grupo dos 3% lucrativos e viveria daquilo.  Depois, passou a ser mais uma forma de recreação e diversão aos finais de semana. 

Mas nesses 8 anos de apostas, o prejuízo financeiro não foi tão grande, nos meus cálculos, cerca de 20mil reais. Acredito que as pessoas gastem mais com cerveja e cigarros.

Mas o motivo de eu ter parado era que o vicio me trazia outros problemas "ocultos" que muitos viciados não conseguem ver. Repito, o problema não é financeiro.

O problema maior é: Falta de foco no trabalho, perca de prazer em atividades humanas, isolamento social, entre outros.

Raiam explica porque médicos, engenheiros e pessoas inteligentes não fazem apostas.


Eu percebi que deveria parar quando naquela parasilação do Covid, minha vida melhorou 
100% por estar sem apostar. Produtividade no trabalho melhorou, vida social melhorou. Tudo melhorou.

Para vocês terem idéia, quando eu apostava, ir em um evento social no final de semana era uma verdadeira tortura. Aquilo não me dava prazer nenhum, até porque não bebo alcool.

O prazer estava em chegar em casa, ligar a TV e apostar. E com isso, meus relacionamentos familiares foram piorando, principalmente com meu pai e minha namorada.

Esse era eu.

ABSTINÊNCIA

Hoje completo cerca de 1 ano sem fazer nenhum tipo de aposta, mas este 1 ano não tem sido fácil.

O ponto positivo é que minhas relações pessoais e familiares melhoraram muito. O prazer em outras atividades como esportes, saídas, eventos, também.

Mas volta e meia, quando chega o domingo, minha mente fica tentando me convencer se não era melhor voltar com o vicio, que aquilo não irá me fazer mal, que se eu fazer de tal forma, irá dar certo. Isso é padrão de qualquer outro vicio.

Dependendo do seu nível de vicio, você não consegue voltar a normalidade nunca mais. Eaí acontece que você terá que conviver com o vicio para ser feliz, e só terá total prazer quando estiver imerso no vicío, até aquilo destruir sua vida totalmente.

Ícaro de Carvalho disse esses dias, que tem 5 anos que não fuma maconha, e até hoje a mente dele diz "Vai fuma só umzinho, não irá dar nada".

"O erro dos viciados é acharem que parar com seu vicio não trará nenhuma consequência." Ícaro de Carvalho.

Esse cara fez um estudo muito sério sobre os efeitos do vicio em pornografia no cerébro. O padrão é o mesmo para qualquer outro vicío.

Por fim, confesso que não estou totalmente curado, volta e meia entro em sites e dou uma bisbilhotada. A temporada do meu esporte favorito está prestes a começar e a vontade de fazer aquele depósito tem ficado cada dia maior.

Escrevi esse post mais como uma forma de expressar para mim e para outros, o mal que os vicios podem causar, principalmente o Vicio em jogo, que é pouco falado por aí.

Deus abençoe todos nós, que ele me dê forças para resistir esse maldito vicío.

segunda-feira, 9 de agosto de 2021

SERVIR Pessoas, esse é o erro que o fire comete.

Sempre que vejo argumentos dos blogs fires, do porque eles querem alcançar a tal indepêndencia financeira ou aposentadoria precoce, eles dizem que odeiam seu trabalho.

Eu respeito isso, acho que realmente existam trabalhos que são cansativos e estressantes. Trabalhar nesse tipo de ambiente só pelo dinheiro, não tem muito sentido depois de um tempo.

Mas eu também acredito que cada ser humano é dotado de certos dons, talentos e vocação e se ele souber encontrar essa sua vocação, pode encontrar um trabalho realmente prazeroso, se quiser.

Brooks, o bibliotecário da cadeia no filme "Um sonho de liberdade"

Vocês percebem que a maioria dos grandes homens (Empresários, politicos, líderes etc) nunca param de trabalhar?. Será que eles sabem algo que nós não sabemos? Provavelmente sim.

E embora muitos desses líderes trabalhem só pelo dinheiro, idolatrem o dinheiro e querem mais e mais, como foi o caso do famoso engenheiro de carros John Delorean, que chegou ao auge da carreira e fortuna e acabou sozinho, fudido , e vendendo relogios pela interne. (Assistam o documentário dele no netflix, vale a pena, você vai ver oque acontece quando um homem idólatra o dinheiro).

John Delorean, engenheiro, milionario, empresário. Um belo exemplo do mal que a idolatria ao dinheiro pode fazer.

Mas muitos outros homens tiveram motivações diferentes para se manterem ativos na sociedade.

Um exemplo foi Sam Walton do Walmart que foi até o último dia de vida, mesmo doente, visitava lojas e conversava com clientes, caçava codornas com seus cachorros e  andava de avião, isso era oque ele gostava de fazer e se sentia vivo com isso.

Sam Walton, caçou com seus "Perdigueiros" e supervionou lojas até o fim da sua vida.

Fazer oque ama acredito ser o meio e não o fim. 

Por trás do "Trabalhar" com oque ama está o SERVIR OUTRAS PESSOAS! O trabalho nada mais é do que isso. Você está servindo seus irmãos com sua vocação, você está resolvendo problemas, melhorando a vida deles.

E por algum motivo, se a pessoa toma consciência disso, a vida dela começa a ter muito sentido, além de trabalhar pelo seu sustento e conforto. Porque depois que você sanou certas necessidades, você pode ter dinheiro e a vida não ter sentido.

E para acreditar no propósito de SERVIR, você primeiro precisa acreditar em Deus como um pai. 

E veja bem, se você é pai e tem filhos, oque você deseja para eles? Que eles sigam o bom caminho, que vivam em harmonia, prosperem, tenham saúde, etc. 

Você provavelmente sentiria orgulho de seus filhos se eles se ajudassem e prosperassem, de preferência juntos. É assim que eu acredito ser o propósito de Deus para nossas vidas.

Acredito que cada ser humano está aqui para exercer sua vocação com excelência, isso nada mais é do que servir ao próximo

Como é bom chegar em algum lugar e ver uma pessoa te atendendo com total atenção e excelência. Você se sente bem. Então porque você não deveria fazer o mesmo dentro da sua vocação? trabalhar não é pesado, quando você considera isso.

Por fim, se você acredita que estamos aqui para SERVIR nossos irmãos e não para nos inutilizarmos depois de uma quantia de dinheiro, então você não deveria acreditar, que aposentar é um propósito.

Eu respeito que cada um tem seu "propósito" ou "visão sobre a vida" mas só tome cuidado para esse propósito não te levar para o inferno da depressão aqui na terra.

Warren Buffet: Ele está trabalhando, servindo, ou fazendo oque ama? Eu diria as 3 coisas ao mesmo tempo. Ele parece sofrer de depressão? ou falta de sentido?



quarta-feira, 4 de agosto de 2021

Não está dando para deixar dinheiro parado mais.

Hoje estava conversando com um amigo aqui na empresa sobre esse cenário de Inflação alta que está se desenhando no Brasil e no mundo. Se nos últimos 5-7 anos podiamos deixar dinheiro parado que a inflação pouco corroía, agora a cada semana nosso dinheiro ta perdendo valor, principalmente nos tais bens duráveis.

Carros, Máquinarios, Terra, Imóvel, Material de construção, está subindo toda semana.

Toyota Hilux 2021 usada 310mil reais. Há 8 meses era 200mil.

Hoje não tem mais condições de deixar dinheiro parado em qualquer tipo de investimento financeiro, porque não está acompanhando essa inflação que estamos vendo nas ruas aí.

Estamos em um cenário muito parecido com oque sempre foi o Brasil no passado, onde nossos pais e avós investiam em imóveis porque era a melhor forma de proteger o capital da inflação.

Eu por um momento acreditei que poderiamos ver uma redução dos preços, estabilização do dólar e etc. Mas a impressão de dinheiro no Brasil e no mundo foi grande, e a demanda por todo o tipo de produto está a todo vapor.

Para ajudar, estamos em um cenário Pré-Eleições 2022 onde Bolsonaro não está nem um pouco afim de cortar gastos ou aumentar os juros, porque ele sabe que isso daria um baque na Economia. Aliás, ele quer é aumentar a injeção de dinheiro com a proposta de duplicar o Bolsa Familia.



Por fim, queria dizer que tomei a decisão de comprar uma casa e acredito que será um ótimo investimento nesse cenário que está se desenhando aí. Comprei uma pechincha de 95k que se fosse construir gastaria uns 180k. Esse cara que me vendeu ainda não acordou para a realidade dos preços.


Por fim oque eu digo é que se os Governos no mundo não injetarem o remédio amargo (Juros altos) a inflação não irá acabar tão cedo. E quando esse remédio amargo vier, provavelmente veremos a tal crise.

Por fim vamos vivendo e aprendendo, acumular dinheiro em espécie nunca foi tão desistimulante neste país.




quinta-feira, 24 de junho de 2021

Reflexões sobre o livro Psicologia Financeira.

Muitos critícos estão dizendo que é o melhor livro de finanças dos últimos anos, e concordo plenamente. Que livro meus amigos. Podem ler sem medo.



Ando meio sumido daqui nesse último mês, assim como a maioria dos blogueiros. Eu percebi que esse tipo de recinto é coisa de quem tem muito tempo sobrando kkkk. 

Depois que o cara vai ajustando sua vida, escrever em blog se torna uma coisa sem sentido.

Eu mesmo sou um cara que vivi muitas horas da minha vida em redutos virtuais como fóruns blogs, redes sociais e afins. Hoje eliminei praticamente tudo.

Dessas abstrações que eliminei, excluir o twitter foi a melhor de todas. Rede social mais tóxica da história. Só idiotas dando palpites sobre assuntos que não estão no seu controle.



Inclusive, reforcei meu mindset em relação a isso, graças e esse livro que falei. Meu Twitter era 99% "finansfera" todo dia nego dando palpite sobre economia, ações, finanças, politica etc.

E eu percebi, e no livro fala isso, que aquilo só faz sentido para quem realmente está inserido no ramo do mercado financeiro. Consultores, marketeiros, todos querendo vender um cursinho para você ou fazer com que você bote seu dinheiro na corretora favorita deles.

Então, quando eu percebi que saber sobre economia, politica ou se ação x subiu ou desceu não iria mudar minha vida, eu decidi dar um basta.

Você é que mantém os faria limers. rsrs

No livro ele mostra que quase ninguém bate o mercado escolhendo ações individuais, e que para bater você tem que estar alocado por 10 anos. Eu só confirmei que aquilo não era para mim mesmo.

Primeiro que eu não tenho condições de deixar meu dinheiro parado 10 anos. E depois, eu não tenho tempo para estudar ações individuais sem atrapalhar no trabalho.

Ele fala também que todo mundo quer os 10% a.a na bolsa, mas ninguém quer pagar o preço de se aguentar uma queda, todos querem burlar o mercado tentando prever o próximo boom ou a próxima recessão. Esses se fodem sempre.

Acho que Bolsa faz sentido para quem é um funcionário CLT, médico, policial ou engenheiro. Como não tem onde empreender sua grana, melhor emprestar para o mercado. Mas o triste que muitos não tem noção do preço a ser pago. E quando a queda vem, são expulsos com prejuízo.

Sem contar que ele diz que Bolsa é algo relativamente novo na história, coisa de 2 gerações. Pessoas que viveram sua juventude 18-27 anos com mercado em baixa, tem tendência de nunca botar 1 real em bolsa. Enquanto quem viveu esses anos em Bull market, acha que aquilo é o segredo da riqueza. Louco isso né?

E olha como isso é verdade! Até pouco tempo, ninguém falava em Bolsa, e só se falava em tesouro direto a 14% a.a. Só foi o negócio parar de dar, que ninguém mais bota dinheiro em tesouro. E agora ta todo mundo alocado quase all in em bolsa. Hahaha.

Por fim é isso, leiam o livro.

Não se esqueçam que minha opinião é só mais uma opinião idiota de algum anônimo na internet. Não vai mudar sua vida em nada. 

Deus abençoe vocês.

segunda-feira, 24 de maio de 2021

Oque eu faria se tivesse 18 anos?

Não sei porque, mas sempre gostei muito de histórias de homens que sairam do nada e ascenderam a uma vida próspera. Por coincidência, a história do meu pai é uma dessas.


A história que mais gostei até hoje, foi a do Ronald Reagan, junto com a história do Arnold Schwazanneger. Para quem se interessar, irei deixar aqui o Link da  trajetória de vida do Reagan, desde seu nascimento. Muito bacana seu inicio de vida.

https://www.reaganfoundation.org/ronald-reagan/reagans-life-times/

Oque esses caras sempre tem em comum é que ambos se sacrificam hoje por um futuro melhor, não ficam pensando muito oque fazer, vão lá e fazem, vão produzir em alguma coisa.

Quem opita por viver o hoje, ou adiar o trabalho, o futuro costuma ser TENEBROSO.

Graças a Deus não saí com "Cartas tão ruins" no jogo da vida, mas não amoleço, porque sei que a qualquer momento a vida pode me dar uma rasteira. Por isso sigo bons hábitos que não deixam minha petéca cair. Inclusive, uma BOA ÉTICA DE TRABALHO.



Mas se hoje eu tivesse 18 anos, não tivesse herança, QI , Pai rico eu iria fazer as seguintes coisas:

- Arrumar um trabalho (Qualquer um) Eu esqueceria CÚrriculos, sairia para a rua em busca de qualquer trabalho. Poderia trabalhar dia e noite como meu pai já fez (Lavador e Garçom) lhe rendiam 2 salários minímos.

- Economizar dinheiro e o máximo possível! Essa é uma das únicas coisas que o pobre tem controle. Com esse acumulo faria um curso técnico para arrumar um trabalho que remunera melhor (Operador de empilhadeira ou Vendedor no Varejo por exemplo) 2 a 5 salários minímos em média.

- Estudar, ler muito em meu tempo vago, o famoso TRABALHO DEPOIS DO TRABALHO.

- Consumir muito conteúdo de Comunicação/Capitação de clientes

- Frequentar uma igreja (te ajuda muito a ficar longe de vicios e perdas de tempo) 

ORA & LABORA

No futuro, com um bom dinheiro acumulado e sabendo como as nuances funcionam, empreenderia meu próprio negócio em qualquer oportunidade que eu conseguisse enxergar (Brasil não tem concorrência)

Na verdade, isso que descrevi é o "American Dream' do século 19/20 que é a base da cultura americana.

"Quem começa com prudência e sem dinheiro no mundo trabalha por salários por um tempo e economiza um excedente com o qual compra ferramentas, ou terra, para si mesmo; então trabalha por conta própria por mais um período, e depois de um tempo contrata outro iniciante para ajudá-lo."  Abraham Lincoln.

American Dream.

Infelizmente os jovens do Brasil nunca nem tiveram acesso a esse tipo de filosofia de vida. Os novos brasileirinhos foram influenciados a acreditar que o "negócio bom" era fazer faculdade e prestar concurso público para ganhar dinheiro sem fazer nada.

Sem contar que um jovem que faz oque eu falei, que concorrência ele tem?

99% dos brasileiros jovens não economizam dinheiro e estão ansiosos pelo fim de semana para viver o momento e aproveitar a vida.

Não existe concorrência.